24/12/2010

E agora, nesta quadra festiva, uma mensagem de Ricky Gervais sobre Deus, religião, fé... e voar.

"Why don’t you believe in God?" I get that question all the time. I always try to give a sensitive, reasoned answer. This is usually awkward, time consuming and pointless. People who believe in God don’t need proof of his existence, and they certainly don’t want evidence to the contrary. They are happy with their belief. They even say things like “it’s true to me” and “it’s faith.” I still give my logical answer because I feel that not being honest would be patronizing and impolite. It is ironic therefore that “I don’t believe in God because there is absolutely no scientific evidence for his existence and from what I’ve heard the very definition is a logical impossibility in this known universe,” comes across as both patronizing and impolite.

Arrogance is another accusation. Which seems particularly unfair. Science seeks the truth. And it does not discriminate. For better or worse it finds things out. Science is humble. It knows what it knows and it knows what it doesn’t know. It bases its conclusions and beliefs on hard evidence ­- evidence that is constantly updated and upgraded. It doesn’t get offended when new facts come along. It embraces the body of knowledge. It doesn’t hold on to medieval practices because they are tradition. If it did, you wouldn’t get a shot of penicillin, you’d pop a leach down your trousers and pray. Whatever you “believe,” this is not as effective as medicine. Again you can say, “It works for me,” but so do placebos. My point being, I’m saying God doesn’t exist. I’m not saying faith doesn’t exist. I know faith exists. I see it all the time. But believing in something doesn’t make it true. Hoping that something is true doesn’t make it true. The existence of God is not subjective. He either exists or he doesn’t. It’s not a matter of opinion. You can have your own opinions. But you can’t have your own facts.

Why don’t I believe in God? No, no no, why do YOU believe in God? Surely the burden of proof is on the believer. You started all this. If I came up to you and said, “Why don’t you believe I can fly?” You’d say, “Why would I?” I’d reply, “Because it’s a matter of faith.” If I then said, “Prove I can’t fly. Prove I can’t fly see, see, you can’t prove it can you?” You’d probably either walk away, call security or throw me out of the window and shout, ‘’F—ing fly then you lunatic.”

This, is of course a spirituality issue, religion is a different matter. As an atheist, I see nothing “wrong” in believing in a god. I don’t think there is a god, but belief in him does no harm. If it helps you in any way, then that’s fine with me. It’s when belief starts infringing on other people’s rights when it worries me. I would never deny your right to believe in a god. I would just rather you didn’t kill people who believe in a different god, say. Or stone someone to death because your rulebook says their sexuality is immoral. It’s strange that anyone who believes that an all-powerful all-knowing, omniscient power responsible for everything that happens, would also want to judge and punish people for what they are. From what I can gather, pretty much the worst type of person you can be is an atheist. The first four commandments hammer this point home. There is a god, I’m him, no one else is, you’re not as good and don’t forget it. (Don’t murder anyone, doesn’t get a mention till number 6.)

When confronted with anyone who holds my lack of religious faith in such contempt, I say, “It’s the way God made me.”

But what are atheists really being accused of?

The dictionary definition of God is “a supernatural creator and overseer of the universe.” Included in this definition are all deities, goddesses and supernatural beings. Since the beginning of recorded history, which is defined by the invention of writing by the Sumerians around 6,000 years ago, historians have cataloged over 3700 supernatural beings, of which 2870 can be considered deities.

So next time someone tells me they believe in God, I’ll say “Oh which one? Zeus? Hades? Jupiter? Mars? Odin? Thor? Krishna? Vishnu? Ra?…” If they say “Just God. I only believe in the one God,” I’ll point out that they are nearly as atheistic as me. I don’t believe in 2,870 gods, and they don’t believe in 2,869.

I used to believe in God. The Christian one that is.

I loved Jesus. He was my hero. More than pop stars. More than footballers. More than God. God was by definition omnipotent and perfect. Jesus was a man. He had to work at it. He had temptation but defeated sin. He had integrity and courage. But He was my hero because He was kind. And He was kind to everyone. He didn’t bow to peer pressure or tyranny or cruelty. He didn’t care who you were. He loved you. What a guy. I wanted to be just like Him.

One day when I was about 8 years old, I was drawing the crucifixion as part of my Bible studies homework. I loved art too. And nature. I loved how God made all the animals. They were also perfect. Unconditionally beautiful. It was an amazing world.

I lived in a very poor, working-class estate in an urban sprawl called Reading, about 40 miles west of London. My father was a laborer and my mother was a housewife. I was never ashamed of poverty. It was almost noble. Also, everyone I knew was in the same situation, and I had everything I needed. School was free. My clothes were cheap and always clean and ironed. And mum was always cooking. She was cooking the day I was drawing on the cross.

I was sitting at the kitchen table when my brother came home. He was 11 years older than me, so he would have been 19. He was as smart as anyone I knew, but he was too cheeky. He would answer back and get into trouble. I was a good boy. I went to church and believed in God -– what a relief for a working-class mother. You see, growing up where I did, mums didn’t hope as high as their kids growing up to be doctors; they just hoped their kids didn’t go to jail. So bring them up believing in God and they’ll be good and law abiding. It’s a perfect system. Well, nearly. 75 percent of Americans are God-fearing Christians; 75 percent of prisoners are God-fearing Christians. 10 percent of Americans are atheists; 0.2 percent of prisoners are atheists.But anyway, there I was happily drawing my hero when my big brother Bob asked, “Why do you believe in God?” Just a simple question. But my mum panicked. “Bob,” she said in a tone that I knew meant, “Shut up.” Why was that a bad thing to ask? If there was a God and my faith was strong it didn’t matter what people said.
Oh…hang on. There is no God. He knows it, and she knows it deep down. It was as simple as that. I started thinking about it and asking more questions, and within an hour, I was an atheist.

Wow. No God. If mum had lied to me about God, had she also lied to me about Santa? Yes, of course, but who cares? The gifts kept coming. And so did the gifts of my new found atheism. The gifts of truth, science, nature. The real beauty of this world. I learned of evolution -– a theory so simple that only England’s greatest genius could have come up with it. Evolution of plants, animals and us –- with imagination, free will, love, humor. I no longer needed a reason for my existence, just a reason to live. And imagination, free will, love, humor, fun, music, sports, beer and pizza are all good enough reasons for living.

But living an honest life – for that you need the truth. That’s the other thing I learned that day, that the truth, however shocking or uncomfortable, in the end leads to liberation and dignity.

So what does the question “Why don’t you believe in God?” really mean. I think when someone asks that they are really questioning their own belief. In a way they are asking “what makes you so special? “How come you weren’t brainwashed with the rest of us?” “How dare you say I’m a fool and I’m not going to heaven, f— you!” Let’s be honest, if one person believed in God he would be considered pretty strange. But because it’s a very popular view it’s accepted. And why is it such a popular view? That’s obvious. It’s an attractive proposition. Believe in me and live forever. Again if it was just a case of spirituality this would be fine.

“Do unto others…” is a good rule of thumb. I live by that. Forgiveness is probably the greatest virtue there is. But that's exactly what it is - a virtue. Not just a a Christian virtue. No one owns being good. I’m good. I just don’t believe I’ll be rewarded for it in heaven. My reward is here and now. It’s knowing that I try to do the right thing. That I lived a good life. And that’s where spirituality really lost its way. When it became a stick to beat people with. “Do this or you’ll burn in hell.”

You won’t burn in hell. But be nice anyway.

(Ricky Gervais)


Retirado daqui, visto aqui.

28 comentários:

B disse...

Genial!!
Eu sou católica praticante (mas juro que nunca pergunto a ninguem "porque é que nao acreditam?")
Este discurso é tao simples e lógico, e põe em causa atitudes tão básicas que tantas vezes nem questionamos... Gostaria que todos os ateus se manifestassem desta forma porque, os que conheço, em vez de atestarem simplesmente as suas convicções (ou a inexistência delas) fazem questão de ridicularizar e espezinhar a fé dos outros.
É um texto maravilhoso!

Vita C disse...

Já conhecia :) faz sentido este texto, faz muito sentido. acreditar ou não acreditar não nos torna pessoas melhores ou nos remove da esfera da ciência ou nos venda os olhos a uma injustiça social que alguns ainda associam aos costumes em que a igreja estava demasiado ligada à política e à governação.
todos podemos ser boas pessoas. melhores pessoas. independentemente da fé que professamos, mesmo que esta seja uma não fé. não, eu não sou melhor por ser católica. sou apenas católica. e não, os ateus e agnósticos não são mais cientistas e lógicos do que eu. são apenas menos propensos a acreditar em algo que eu acredito. e sim, faz muito bem sermos confrontados com um simples "porque acredito?" ...
uma vez disseram-me que isto é tudo muito bonito mas a fé não é nem pode ser apenas emocional, tem de haver com este lado afectivo algo racional que nos dê sentido à fé. haver uma explicação científica para as coias não desvirtua a fé (bom, só se acreditarmos num deus barbudo a olhar por uma janela cá para baixo a cofiar a barba e a pensar no que fará de seguida). se calhar, mais do que "acreditas em deus?", deveríamos pensar "em que Deus?".

Johnny disse...

B, também sou contra os ateus activistas que tentam converter os crentes, mas muitos desses "ateus" procuram argumentos que os façam ter alguma fé... eu penso que eles não procuram a descrença mas sim a crença em algo que, no entanto, não conseguem. Eu, por exemplo, não consigo crer... ou melhor, cada vez acho mais difícil crer.

Vita C acreditas em que Deus? :)

Vita C disse...

that's the question :) acredita que seria um comentário muito longo, por isso vou tentar sintetizar.
1) o "meu" Deus não é uma entidade afastada do homem, porque o homem, como tudo, faz parte de deus. não naquela versão da "imagem e semelhança" punitiva, mas antes na versão de responsabilização e valorização
2) o "meu" Deus é sobretudo compreensivo e incompreensível. Ou seja, é um "perdoador" nato para todas as coisas que não têm uma solução certa ou errada, ao mesmo tempo que não o conseguimos apreender numa pincelada lógica. é tudo o que de melhor podemos conceber, mas sem aquele pedestal inalcançável.
3) o "meu" Deus é exigente. Exige, apesar de não punir. Pretende que quem o segue faça isso mesmo: o siga, sem medos e sem rodeios, que não ceda às pressões nem da moda da religião nem da moda da não religião
4) o "meu" Deus apela sobretudo ao meu bom senso. Mais do que à palavra dos padres e papa e bispos e seja o que for, permite-nos duvidar e esclarecer, e questionar.
6) o "meu" Deus não é exclusivo. Ama tudo e todos, mesmo quando nós não o fazemos. E não se cinge, até porque o universo é suficientemente grande para o comportar. E sim, implicitamente, o meu deus não é exclusivo desta Terra que conhecemos. Nem faria sentido ter um deus menor, se o podemos conceber como mais do que um simples ser feito à imagem e semelhança do homem.

Bom, assim parece uma coisa um bocado reducionista, mas a fé é também de quem a vive. Se calhar para alguns faz sentido que Deus se mantenha lá na janela que escrevi lá em cima. Para mim, está mesmo aqui ao lado e, se fosse um humanóide, estaria a sorrir.

Johnny disse...

Isso não é bem o que eu queria saber, Vita C. Isso parece-me bem e muito ajuizado, mas não tem nenhumas implicações religiosas ou filosóficas. O que eu quero saber é como é que se explica a existência de um Deus perante a humanidade se nós só existimos há uns quantos mil anos mas a terra já existe há milhoes de anos sem nenhuma forma humana. Como se explica a existência de Deus perante Darwin? Como se explica a existência de Deus diferenciando espécies animais que tiveram juntas? Há um deus para os homens, mas haverá um deus para os animais, para os insectos, para as plantas? E o que acontece depois da morte? e o que acontece à informação que está guardada no meu cérebro (memórias, conhecimento, consciência)?

São estas perguntas que me angustiam e que há luz da lógica quase impossibilitam a existência de um deus, seja ele qual for... a não ser o teu, que é muito plausível, mas que é um deus com aspas... e as aspas dizem muito :)

Cirrus disse...

Ao Deus panteísta da Vita chamo eu Consciência Colectiva. E é um fenómeno efémero, extremamente recente que poderá ser apagado pela Terra num abrir e fechar de olhos. O que faz dela a verdadeira Deusa, não é?
Ora aí está uma outra questão sobre a qual podemos ponderar longamente: a morte de Deus.

Johnny disse...

Isso da consciência colectiva é uma noção tão efémera, ao mesmo tempo que é abrangente, que é facilmente aceitável, mas dificilmente comprovável, Cirrus. Ou seja, se eu aceito que haja um conjunto de "energias" ou lá o que seja que se transformem no pós-morte numa força extra-corporal, já tenho mais dificuldade em aceitar que essa consciência englobe os indivíduos com as suas consciências individuais e memórias, o que constitui a base do indivíduo.

Sendo assim, a minha dificuldade maior não é aceitar formas alternativas de realidades metafísicas... também eu cedo perante a influência do karma e da inveja, por exemplo. O que me custa a aceitar é que a minha vida - ou a de alguém - exista nos moldes que a tornam a minha vida (com a minha consciência, com as minhas memórias e experiências, etc) para além da morte. Não existindo essa vida consciente depois da morte, porque essas características estão associadas ao que é fisíco, o cérebro, não existirá um deus com essas características. existirá outro? Não sei, mas mesmo que exista, não me conforma. Esse é o problema da religião.

Juana disse...

Excelente artigo embora muito longo. No entanto deixo aqui um pequeno comentário. Admiro ateus ou agnósticos, e eu conheço-os, que conseguem ser excelentes pessoas, ao contrário de outros que batem com a mão no peito e cumprem todas as "formalidades" da igreja e são autênticos canalhas. Também os conheço.
ah e by the away... eu tenho fé, mas não essa que ensinaram na catequese ao qual me obrigaram a ir do tipo " ou vais ou levas", e não, não ponho os pés na igreja. É isso " But be nice anyway". bj

Vita C disse...

Oh, já tinha escrito aqui de manhã mas não sei porquê não devo ter carregado no botão certo (vou recordar que era de manhã e eu chego ao emprego num estado dormitativo, sim?). E apesar disso, de manmhã estava inspirada e agora nem tanto, mas tentarei reproduzir...
O Deus que falo não é temporal, como o foram os deuses gregos e romanos e egípcios e afins. Ele não é posto em causa por Darwin, antes se explica através dele (há um livro de uns cientistas, Guitton e Bogdanov, se não estou em erro, que aprofundam a ideia/concepção de Deus no momento do Big-bang e da evolução das espécies). Deus não é criacionista, a sua c"criação" não nega o livre arbítrio e a evolução!
Aceitar este Deus, acima de tudo o resto, de todas as variáveis que julgamos definirem a nossa realidade, como o tempo e o espaço, permite-nos encará-l'O como mais do que uma história. Quanto à morte, não faço ideia. Não acredito na reincarnação, não acredito que o corpo permaneça, muito pelo contrário. Quanto à alma, não sei se permanece como a conhecemos.
Quanto às aspas, são elas que tornam o meu deus tão real. Ao fim e ao cabo, a nossa compreensão depende de nós, mas sendo necessários, somos por vezes insuficientes. God doesn't play dice (but we do, right?)

Johnny disse...

Juana, eu por regra não admiro ninguém a priori, porque têm de me convencer muito que merecem ser admirados... e, como tu, também acredito que há ateus e agnósticos que são boas pessoas e outros que são maus, contudo - e isto é capaz de me fazer passar mal - começo a achar que acreditar em Deus e numa religião é uma insuficiência.... mas também há erros que podemos aceitar nos nossos amigos e nas pessoas em geral :)

Vita C, lamento o ocorrido, garanto que não fui eu que apaguei :) Eu acho que o teu Deus continua a ser muito vago, mas admito que haja uma ideia de Deus ao nível da natureza que seja facilmente aceitável. Já a existência de uma alma, para alem de uma energia ou de uma existência similar à electricidade, não me faz muito sentido, porque a consciência que temos de nós e as memórias que a constituem estão dentro de um compartimento físico, o cérebro, e para além disso não existirá mais nada... ou posso estar enganado, mas logo veremos.


"No one wants to die. Even people who want to go to heaven don't want to die to get there."

(Steve Jobs)

Vita C disse...

Fiquei a pensar nisto do "vago". Imagina que pedes a um dos teus melhores amigos que te descreva de forma a que todos te fiquem a conhecer. Poderá utilizar centenas de adjectivos, e essa combinação será única, mas será que a descrição que faz de ti será efectivamente completa? Será que o resultado não será uma aproximação ao que tu és, por mais fiel que seja, mas incompleta e vaga?
Ainda a questão da alma, acredito na memória de quem cá fica. Imagina o teu tetratetratetratetratetravô. Lembras-te dele? Mas ele existiu, caso contrário não estaríamos a ter esta discussão. Ele não é diferente de ti neste episódio. Morres, capuf. A alma como a conheces desaparece, no neurons, no brain activity, no thought, no loving, no nothing. Mas como te digo, este é o conhecimento limitado que temos. O problema é quando "deus" é interpretado pelos homens que não conseguem perceber a metáfora intrínseca.

Johnny disse...

Ó Vita C, cá para mim és tão desconfiada religiosamente como o comum dos ateus. Vejo aí uma necessidade de acreditar em algo transcendente que dê algum significado à vida, mas esse algo não tem corpo nem será propriamente uma entidade, o que te encaminha mais para o lado dos ateus/agnósticos/desconfiados. Será a natureza, será a nossa força interior, será ou não uma força, será uma coincidência... será algo ou não? Acho que a diferença reside no facto de eu desconfiar mais do que tu (e os ateus mais do que eu) que haja algum significado nessa metafísica. O deus como uma metáfora já é algo em que eu posso acreditar, mas não é algo que possa fundamentar uma religião e o problema dos deuses é mais esse, das religiões que se constroem à sua volta é é perante isso que eu sou mesmo ateu. Agora relativamente aos deuses... isso já depende do que acreditamos como tal, o que torna tudo muito relativo :)

Se não nos 'virmos' mais, boas entradas e um óptimo ano de 2011 para os teus. Obrigado pela troca de ideias.

Brown Eyes disse...

Johnny vim desejar-te um excelente 2011, em GRANDE, como nunca tiveste nenhum. Beijinhos

Johnny disse...

Mary, Mary, Mary, Mary... escusavas de vir para aqui insultar os outros anos todos... coitadinhos :( mas pronto.... acho que vou agradecer e desejar-te o mesmo :P

Mz disse...

“...I don’t believe in God because there is absolutely no scientific evidence for his existence..."

Primeiro, nem tudo se pode remeter ao científico. O amor existe e não é científico.

E digo-te mais...
Se o ser humano fosse feito para voar seria como os pássaros, teria asas e capacidade de voar. Mas como nem todos os que têm asas voam, nem todos podem ter a mesma opinião sobre a existência ou não de um Deus. Por isso, existem os Deuses que no fundo serão um só e existe a capacidade de acreditar em algo superior a nós neste universo.

A fé mistura-se com os que acreditam e com os que não acreditam e mistura-se também com o científico porque ter fé não é só crença, ter fé pode ser também a confiança de executar um compromisso.

Johnny disse...

Eu acredito num deus como no amor, como algo que não existe e nos influencia de fora numa perspectiva relacional, ou seja, como algo que é construído por nós e nos influencia a partir de nós... e não dele. Quanto à entidade superior a nós, tenho dificuldade em aceitá-la num universo que existe à milhões de anos sem humanidade, com animais no qual surgimos nós após evoluirmos de outros animais. Onde apareceu a alma, qual a diferença entre um ser humano e um mosquito? De que forma a existência de Deus se manifesta em nós de uma forma única e atribuível a Deus?

Há duas coisas que temos de definir quando aceitamos que Deus existe. Uma é precisamente em que é que consiste esse Deus e outra é o que nos leva a acreditar que ele existe assim. Nesse raciocínio que fiz e faço, não consigo perceber a existência de um deus, a sua influência ou razão de existir e as provas da sua existência. A ideia de uma entidade perpétua é-me inconcebível, a ideia de uma entidade criadora vai pelo mesmo caminho, a ideia de uma alma também, a ideia de uma vida depois desta também, a ideia de eternidade também e perante este cenário eu não posso ser mais nada do que, no mínimo um céptico, talvez um agnóstico, alguns dias até um ateu, mas sempre um desconfiado que pensa, no entanto, que aceita as pessoas que acreditam e a sua fé... embora cada vez sinta que é mais difícil entendê-las.

Boas entradas, MZ.

caminhante disse...

passei para deixar um abraçinho de feliz ano novo :)

Johnny disse...

Caminhante, obrigado e um abracinho também para ti!

Mz disse...

Chega um tempo nas nossas vidas em que nos questionamos quanto a existência de Deus. E se esse Deus for imaterial e criador de todas as coisas visíveis e invisíveis é ainda muito mais questionálvel. Não te posso responder a perguntas que até eu faço a mim própria. Sei que o Mundo tem necessidade de Deus e de mensagens equilibradas que orientem espiritualmente a humanidade sem fanatismos.

A melhor forma de me encontrar com Deus não é numa igreja, isso tenho eu a certeza absoluta. Os templos e as igrejas não passam meramente de paredes carregadas de símbolos criados pelo homem religioso.Aí encontramo-me em sociedade e, eu estou distraída demais para me encontrar com Deus no sentido verdadeiro de um encontro espiritual.

Talvez me encontre com Deus no meu silêncio. E, vindo de mim, existe o Deus que eu quero e com que me identifico. Como se o meu Deus fosse todo este universo infinito. Visível ou invisível, eu preciso deste meu Deus.

E a alma... minha alma será sempre a minha essência.
O que eu conseguir amar, odiar, transmitir, aconchegar, realizar, etc..etc...

E pronto!
É apenas o meu ponto de reflexão sobre este assunto, neste momento da minha vida, senhor Johnny!

Johnny disse...

E esse eu aceito :)

Como diz o Woody Allen: "whatever works"

Sara non c'e disse...

Já tinha lido este texto e está brutalíssimo! :)

Johnny disse...

Sara nom c'e, está mesmo :)

Moyle disse...

Deus faz anos amanhã, 25 de Janeiro. Como poderia eu não acreditar?

Johnny disse...

Faz, Moyle? Quantos? Acredita à vontade.

Moyle disse...

Fez 69 anos. Com direito a uma gala bonita e tudo.

Johnny disse...

Moyle, só agora é que tocou o sino (ringed a bell) na minha cabeça.

(a tradução exige-se porque em português não tem o sentido que eu queria dar)

Brown Eyes disse...

Que tal traduzires isso? Estamos em Portugal não?
Ai, ai, ai Mauzinho.
Beijinhos

Johnny disse...

Pode ser que um dia destes, Mary, me dê para isso.