28/09/2009

prologue
Confesso que pelo nome, pensei tratar-se de mais um filme de terror sobre o Apocalipse e é claro que só depois de saber quem o tinha realizado, pude ficar na dúvida.
Mesmo assim, tive que ver o trailer, antes de ver o filme.

chapter one: grief
O Anticristo de Lars Von Trier ("Ondas de Paixão"; "Dancer in the Dark"; "Dogville"...) é mais um filme de autor, e não digo isto com desprezo!

chapter two: pain (chaos reigns)
Quem conhece este realizador dinamarquês, sabe que ele é capaz de provocar em nós um mal-estar profundo, (que pode levar muita gente ao desligar do "play" ou à saída permanente, da sala de cinema) e que começa pela tremenda tristeza/dor que tão bem consegue mostrar na tela e transportar para fora da mesma, ao mesmo tempo que nos brinda e alicia com fantásticos planos de câmara e música a condizer, conseguindo fazer com tudo isto, arte. (aqui permiti-me este laivo de excessividade porque por vezes ao gostar de uma coisa, consigo ser demasiado parcial :)

chapter three: despair (gynocide)
O filme relata a história de um casal. Ela uma historiadora obcecada pelo seu ensaio e ele um psiquiatra que toma a sua mulher como objecto de estudo. Ambos sofrem pela perda do único filho, e tentam de tudo para exteriorizar e expurgar a dor com sessões de "terapia caseira".

chapter four: the three beggars
Com uma fotografia estrondosa, um desempenho fantástico de Charlotte Gainsbourg e Willem Dafoe e uma teia metafórica que nos vai puxando mais a cada piscar de olhos, o Anticristo é talvez, como muitos dizem, um filme-consequência da depressão por que passou o realizador, que pensava já não conseguir fazer filmes. Uma, quiçá, expurgação do demónio...

epilogue
"A grieving couple retreat to ’Eden’, their isolated cabin in the woods, where they hope to repair their broken hearts and troubled marriage. But nature takes its course and things go from bad to worse…"






Ps: O filme tem cenas tremendamente chocantes e pormenores de sexo explícito. Beware! :|


entrevista polémica a Lars von Trier em Cannes

3 comentários:

Gingerbread Girl disse...

Bem, tendo em conta que o Dogville é um dos filmes mais geniais que eu vi em toda a minha vida... tenho mesmo de ver este. =|



*

johnny disse...

Eu gostei particularmente da entrevista.

ipsis verbis disse...

Gingerbread Girl,

Dogville é sem dúvida um filme genial. Acho que é o primeiro do Lars von Trier em que a mulher deixa de ser aquela coitadinha a que ele nos habituou para no fim se tornar numa forte mulher de armas. Revoltada (isso sempre), mas vingada. A Nicole esteve perfeita. E todo o cenário, direcção de actores, argumento e fotografia fazem do Dogville um dos filmes da minha vida. :)

Vê o Anticristo. É denso, angustiante, poético (mesmo assim) e pornográfico - uma master piece :D


johnny,

Eu depois de ver a entrevista gostei ainda mais do homem.