05/11/2008

Forty Acres



Out of the turmoil emerges one emblem, an engraving
a young Negro at dawn in straw hat and overalls,
an emblem of impossible prophecy, a crowd
dividing like the furrow which a mule has ploughed,
parting for their president: a field of snow-fleckedcotton
forty acres wide, of crows with predictable omens
that the young ploughman ignores for his unforgotten
cotton-haired ancestors, while lined on one branch,
is
a tense court of bespectacled owls and, on the field's
receding rim a gesticulating scarecrow stamping with rage at him.

The small plough continues on this lined page
beyond the moaning ground, the lynching tree, the tornado's
black vengeance, and the young ploughman feels the change in his veins,
heart, muscles, tendons, till the land lies open like a flag as dawn's sure
light streaks the field and furrows wait for the sower.



(poema para Barack Obama pelo Nobel da Literatura
Derek Walcott no Times online)

Para fora do tumulto emerge um emblema, uma gravura
um jovem Negro ao amanhecer de chapéu de palha e jardineiras,
um emblema profético impossível, uma multidão dividida
como o sulco que uma mula lavrou,
fazendo nascer o seu presidente: um campo de neve-pontilhado de algodão
numa extensão de quarenta hectares, de corvos com presságios previsíveis
que o lavrador jovem ignora para os seus inesquecíveis
antepassados de cabelo de algodão, enquanto que alinhada num ramo,
está uma tensa corte de corujas de óculos e,
na borda do campo um espantalho gesticula revelando-lhe a sua raiva.

O arado pequeno continua nesta página pautada
para lá da terra que geme, a árvore cortada, vingança negra
do tornado, e o jovem lavrador sente a mudança nas suas veias,
coração, músculos, tendões, até que a terra se abre como uma bandeira
como a luz do amanhecer que toca no campo e os sulcos esperam pelo semeador.

1 comentário:

johny disse...

Deve ser o Manuel Alegre do sítio. Aquele tipo de poetas que escreve sobre a actualidade.