23/05/2011

A sinceridade é sobrevalorizada III

"A tua está muito boa, mas a da minha mãe é melhor?"
"Não gosto muito desse corte de cabelo, gostava mais quando o tinhas comprido."
"Cabiam lá dois!"
"Por acaso, não concordo contigo, acho que ela (outra) até tinha razão."
"Como se chama aquela tua amiga... aquela muito gira?"
"Eu consigo. Queres que eu faça?"
"Como hoje estás num "daqueles dias", eu não te chateio mais."
"Estou a chegar."
"Neste Natal, engordaste alguns quilitos."
"Como é que não consegues? Isso é tão fácil!"
"Não, não noto nada de diferente."
"Podiam ser um bocado maiores."
"Vá lá! Não precisas de te mexer. Eu faço tudo."

E às vezes nem é o que se diz, mas como se diz... basta um tom.
E às vezes nem é o que se diz, basta existirmos.
E às vezes... poucas vezes, somos mesmo umas bestas!

22 comentários:

Eva Gonçalves disse...

Essa do basta existir, é dose... :) Mas tens razão... se pudessemos retirar o que acabamos de dizer muitas vezes, dava jeito, porque às vezes, somos mesmo umas bestas insensíveis ou distraídas... (nós mulheres e vós homens... mas mais vós!!!! rrrssss)Sempre te dei razão é verdade... não há nada como umas little white lies, por vezes, mentirinhas piedosos que não fazem mal a ninguém e evitamos muita chatice e principalmente, deixamos alguém feliz, ou pelo menos, não a deixamos triste! :) beijo

Johnny disse...

Eva, exactamente. E sim, mais nós...

...faz-de-conta.

Anónimo disse...

Pra já... um dia destes deixo de ser!
Principalmente o tom de como se diz... eu pessoalmente tento dar um enfase engraçado "à coisa" ou ao "assunto", raramente sou uma besta, só se estiver mesmo chateada ou se a pessoa em questão não me disser nada como "pessoa". Quando me acontece a mim, ignoro, raramente me afeta, gosto de ser como sou em quase tudo... mas se por acaso me afetar um pouco, posso mais tarde dar uma "achegazita" parecida numa situação idêntica e a pessoa percebe, se me afetar muito, trato logo mal a pessoa... mas a sério.

ipsis verbis disse...

Muita desta sinceridade aqui, tem um cheirinho a paternalismo. E essa é talvez a pior.

Moyle disse...

Este post é mesmo muito bom :)

pinguim disse...

Gosto!!!
E gosto ainda mais da primeira frase depois das "máximas"!!!
Já a segunda, não generalizemos...
Quanto à terceira, realmente algumas vezes somos, consciente e inconscientemente.

Johnny disse...

anónimo, desde que funcione...

Ipsis, a sinceridade é muitas vezes paternalista... e chauvinista, e injusta...

Moyle, o teu comentário é que é bom :)

pinguim, bem-haja!
Todos vamos sabendo destas coisinhas.

Catsone disse...

Já usei metade desse repertório e o saldo é positivo.

Johnny disse...

É quando sabemos que vale a pena, Catsone :)

pessoa que não conheces disse...

Este post além de ser muito ambíguo, é completamente disparatado!

Johnny disse...

Ora aqui está uma sinceridade que podia muito bem ser dispensada, ainda para mais vinda de alguém que já partilhou muitos segredos comigo e que corre o risco de os ver espalhados pela blogosfera :) Aí sim, já terias uma ideia de como a sinceridade é sobrevalorizada!

(E sim, tu pareces ser do tipo aqui representado que tem dias em que é preferível não existir ao pé dela)

Di Almeida disse...

"Vá lá! Não precisas de te mexer. Eu faço tudo."


??

Di Almeida disse...

No devido contexto isto seria o parceiro ideal... por exemplo, na cozinha. :}

Johnny disse...

Depende muito no contexto, mas no espírito do post, esse não era seguramente o contexto.

Paula disse...

Por acaso consegue-se "imaginar" uma série de situações para todas estas frases... mas essa é a que suscita mais curiosidade!!!

Johnny disse...

Fica ao critério de cada um...

Paula disse...

Ainda bem que disses-te isso, fico um pouco mais descansada...!!!!

Johnny disse...

De nada.

Mz disse...

A espontaneidade de um comentário sincero sempre teve um pau de dois bicos.Tem de se ter tacto e saber com quem estamos a lidar. Eu penso assim!

Johnny disse...

Mz, mas para ter tacto e sabermos com quem estamos a lidar, já temos de pensar, o que retira alguma espontaneidade ao acto... já não será uma sinceridade absoluta.

Briseis disse...

Uuuuuiii... isto é muito booooomm! =)
Vale sempre mais uma mentirinha elaborada e picante do que uma verdade sensaborona...

Johnny disse...

Briseis, até porque com a verdade podemos levar uma chapada daquelas!