28/01/2010

Um pouco de cor

O seu cabelo vermelho destoava no meio da cinzenta rotina citadina, tornando-a visível aos sorrisos de alguns e aos olhares abertos de suspeição de outros. Ela seguia em frente, sorrindo sem o mostrar, reparando nos outros, nos que olhavam para si e nos que olhavam o chão, notando que poucos levantavam a cabeça, procurando algo... sempre à procura.
(Que procuras?).
Não sabia o que procurava. Tinha um sonho que a envergonhava.
- Desiste.
E dúvidas
- Desiste!
Muitas dúvidas, que, por sua vez, a enraiveciam.
Decidiu tirar uns dias. Pediu ao marido que a ajudasse. Ao menos ele nunca lhe tinha dito...
- Desiste.
Ainda que não dissesse nada de todo.
Ele ficaria com as crianças, sem perguntar nada - até porque era só um fim de semana - e ela voltaria Domingo à noite.
Pegou nos sacos, despediu-se dele enquanto as crianças dormiam e saiu.
Não passou da porta. Não havia nada para decidir. Tudo estava decidido há muito tempo.
- Está decidido.
Há dias em que nada acontece e nada do que possamos fazer consegue contrariar essa vontade superior. Dias que se transformam em semanas, meses e anos… uma vida de possibilidades, uma vida com mais perguntas do que respostas, mas uma vida apesar de tudo, uma vida com tudo lá dentro, de bom e mau, na esquizofrenia tão característica da natureza humana. Só o que falta conta. O fim é a marca do que fomos e pouco há para além do que é esperado de nós pela nossa condição. Ficam as certezas.
- Se não for uma escritora viajante, serei uma viajante que escreve, se não for uma apaixonada em viagem, serei uma viajante apaixonada, mas sempre a escrita, sempre a paixão e sempre a viagem.


Foge Foge Bandido - Ninguem é quem queria ser


(João Freire)

Reaproveitado para o desafio de Novembro da Fábrica de Letras, subordinado ao tema "Sonhos".

26 comentários:

Por entre o luar disse...

Belo... =) Gosto do último parágrafo, tocante*

Afinal não atrapalhei nada=)
Beijo*

Moyle disse...

vai à procura, ou vai a fugir?

Pronúncia disse...

Gostei especialmente da passagem "Só o que falta conta. O fim é a marca do que fomos e pouco há para além do que é esperado de nós pela nossa condição. Ficam as certezas.".

Quem a pensou?!
Ela, quando chegou à porta e se decidiu? ou o narrador, perante a decisão dela?!

(excelente escolha musical... gosto do Manel Cruz)

Vita C disse...

Gostei. Tão cheio de pequenos pormenores, tão cinzento e tão colorido. Mas, "uma vida, apesar de tudo"?
É nas possibilidades que se excluem que verdadeiramente escolhemos, nem que seja uma escolha de rotina, de apatia, de nada. Belo é sabermos que tudo o que temos cá dentro depende também de nós para se concretizar. De muita coisa, mas também de nós.

E o Manel, o Manel :)

pinguim disse...

Respondendo a uma pergunta posta aí em cima, acho que é uma procura, que só tem um meio para ser alcançada: a fuga!

meldevespas disse...

João, este texto está tão bonito pá! Sério! A realidade, aquela realidade com que nos deparamos a cada passo nas nossas existência, fria, crua, sempre a saber a pouco, tantas vezes a saber a nada, e no entanto tu descreves essa procura, e esse conformismo até, com poesia. Tenho andado pra te dizer, encontro na tua escrita uma qualidade muito importante a meu ver, que é uma certa androgineidade (nem sei se existe a palavra ehehe) nas palavras. Podias perfeitamente ser uma mulher a escrever, tal é a sensibilidade com que (re)tratas as mulheres dos teus contos. Alguns poetas, especialmente alguns poetas e/ou cantores, são um bom exemplo disso, veja-se Caetano Velos em "Esse cara", ou Sérgio Godinho em "Balada da Rita". É uma qualidade que não é comum a muitos porque há sempre a tendência a esteriotipar as coisas.
Tanta conversa só pra dizer que este texto me tocou Jóni...muito bonito.
Beijinho

Juana disse...

Deves compreender muito bem a cabeça das mulheres...

Gingerbread Girl disse...

Este texto está LINDO.
...E aposto que eu e a Mel o sentimos da mesma maneira. ;)

A última frase está algo de "WOOOOOOOW!", mesmo.

*****

johnny disse...

Por entre o luar, atrapalhaste se alguém pensar que podia ficar melhor... como eu penso. Bonito, o novo novo look do blogue.

Moyle, até as fugas são uma procura. neste caso - e percebendo bem o que perguntavas - era mesmo uma procura.

Obrigado, Pronúncia. Fico algo babado. Quanto à questão que colocas, acho que será um narrador omnipresente que sabe o que a personagem pensa, articulando esse pensamento da melhor forma. A primeira vez que vi o Manel Cruz, ainda na versão Ornatos Violeta, foi em Braga, no Populum.

Vita C, a vida apesar de tudo, um tudo que é maioritariamente mau tendo em conta o seu destino, porque se pensarmos bem, estarmos vivos é sempre o ponto de partida para qualquer coisa de bom... a condição sine qua non. Quanto ao Manel... uma vez em Braga, fui com uma rapariga a um concerto dos Ornatos (uma psicóloga, ruiva e de cabelos encaracolados, que nem conhecia Ornatos) e no durante e pós concerto, ela não deixou de falar do Manel Cruz, ficando uma apaixonada do dito senhor. Coincidências!

Pinguim, exactamente.

Mel, obrigado.

Juana, para ti e para a Mel que reincidiram no tema da compreensão das mulheres, relembro o filme com o Jack Nicholson "As good as it gets" e deste post, com esta cena.

johnny disse...

Ginger, obrigado.

É bom saber que escrevi algo que fez duas pessoas sentir... ainda por cima algo "lindo" :)

Y

Brown Eyes disse...

Bem, bem isto está, está mesmo muito bem pensado, transmite o que tantas vezes nos acontece. Andamos indecisos uma vida e, de repente faz-se clic. O fim então está DEMAIS:Se não for uma escritora viajante, serei uma viajante que escreve, se não for uma apaixonada em viagem, serei uma viajante apaixonada, mas sempre a escrita, sempre a paixão e sempre a viagem. Lindo e muito bem traçado. Beijinhos

johnny disse...

Obrigado, Mary. Glad you like it.

Eva Gonçalves disse...

:))))))) Nem sabes como me identifico com estas palavras... todas!! Especially that last bit...:)
Beijinho

Se7e/5 disse...

Numa noite quente e cheia de tesão estava necessitada de um duro e quente "rolinho de carne" bem dentro da caverna húmida do amor, entrou num barzeco e, foda-se!!, que moço lindo, uma autêntica obra de arte, perfeito e, saltava ás vistas, lindo, lindo, lindo! Um Adônis único com todas as letrinhas do desejo e tentação. Aproximei daquela montanha de beleza e tentei a sorte: -Você quer..., -ainda nem tinha bem articulado a palavra seguinte e já aquele corpão de bronze suado me arrastava para fora do bar. Meio desmaiada de emoção, recobrei meus sentidos num quarto excelente de hotel. Vá livrando da roupa, disse o pedação, e eu livrei, ficando nuinha e brilhando num calor intenso entre minhas coxas que já se escancaravam para receber o “rolão duro de carne”. Quando o gatão começou a despir-se...

O restinho???, nã, nã... só lá no se7e/5

Raven disse...

Excelente blog. Pena estar demasiado pesado. Devias tirar alguns vídeo. Em pc's com a net mais lenta, estás paginas tão pesadas sob carregam completamente o sistema.

johnny disse...

Eva, fico contente por te ter tocado assim.

Se7e/5, não tenho a mínima curiosidade.

Raven, Obrigado. parece que sim, que se tornou muito pesado, mas é que aqueles vídeos são todos essenciais para transmitir o que sou e aquilo que penso... mas começo a aceitar que mais tarde ou mais cedo vou ter de retirá-los... a não ser que encontre uma forma alternativa... Obrigado mais uma vez, também pelo aviso.

Raven disse...

Voltei, com alguma dificuldade, mas voltei.
Dei imensos erros aí em cima. Desculpa lá isso. Escrevi à pressa.
Fazes bem em tirar os vídeos. Podes deixar apenas uma mini-aplicação com os links. ;)

E agora vou tentar sair do blog. Se calhar vou ter de reiniciar o pc. LOL

johnny disse...

Raven, já tentei resolver o problema. É capaz de ter ficado mais levezinho... a ver vamos, como dizia o cego.

Raven disse...

Perfeito. :)

MZ disse...

Somos sempre hoje um bocadinho daquilo que já fomos ontem... sempre tivemos dúvidas, sempre tivemos sonhos... e conscientes de que a vida não é fácil, quantas vezes não pensámos já em desistir de algo?
Faz-nos falta alguém que nos diga "não desistas"...

beijo

johnny disse...

Obrigado, Raven. Thanks for the suggestion.

De certeza que nos faz muita falta quem nos diga isso... embora, em alguns casos, nomeadamente em programas de talentos, também faça falta alguém que diga "desiste" a muitos aspirantes a artistas.

Gingerbread Girl disse...

Obrigado Raven, thanks for the suggestion.?!?

Eu fartei-me de te dizer a mesma coisa!!! :s

PASH!!!

Pedrasnuas disse...

"Se não for uma escritora viajante, serei uma viajante que escreve, se não for uma apaixonada em viagem, serei uma viajante apaixonada, mas sempre a escrita, sempre a paixão e sempre a viagem."

MUITO BOM MESMO...E FRISEI O ÚLTIMO PARÁGRAFO...

TENTEI VER AQUI O TEMA DA FÁBRICA MAS NÃO ENTENDO INGLÊS NEM ABRE A IMAGEM...MAS VIM AQUI

ABRAÇO

johnny disse...

Ginger, disseste, é um facto, mas não verbalizaste em comentário e foste a única a dizê-lo antes - o que me levava imediatamente a atribuir-te as culpas e à tua internet.

Pedrasnuas, essa frase parece ter tocado muita gente... ainda bem. Quanto aos teus problemas de visionamento do vídeo (penso que seja do vídeo), n\ao sei, mas caso o consigas ver, no meu blogue ou no youtube, ele contém legendas - legendas essas, aliás, que são da minha autoria :)

Amaterasu disse...

tocante o texto...
escolha musical excelente..

johnny disse...

Amaterasu, obrigado. Pelo teu blogue, também dá para ver que percebes algo de textos tocantes... sem dúvida bem escritos. Vou andar por lá.