25/10/2009

A teoria dos dois atiradores (parte 1)

Quem olha para ti, Rafael, enquanto olhas para ela?

Diziam sempre, ora para ela, directamente, ora para a família ou quem quer que estivesse por perto: “é mesmo bonita”. Depois, com o tempo, passaram a dizer que era "gira", "linda", "um borracho", mas elogiando-lhe sempre a cara perfeita e redonda, por onde sobressaíam uns grandes e claros olhos azuis, quase cinzentos.

Os pais e o irmão, habituados à convivência com a sua beleza, pouco lhe diziam a esse respeito, tentando ignorar os seus desfiles de cachecóis e sapatos de salto alto dez números acima do seu, enquanto a sua mãe, avisada pelos perigos da beleza, repetia: “Ninguém precisa de ser inteligente quando se é bonita.” Tivesse ela prestado atenção…

Depois foram os rapazes, depois ficou uma mulher, no intermeio pouco se passou que não seja habitual da idade.

Parecendo acessível, era inatingível. Conheciam-se algumas histórias de amor que protagonizara, todas descritas pela própria como “erros crassos”, afinal, apaixonava-se sempre pelos homens errados num lugar-comum de todo o tamanho que fazia sorrir quem a ouvia.
Procurava o interior, fugindo do exterior que a caracterizara toda a sua vida e queria que gostassem dela por essa fuga do acessório, que gostassem DELA e não da sua cara redonda, com os grandes olhos azul-acizentados.

Atravessar uma rua da aldeia, sempre de forma tão discreta quanto o seu ar permitisse era um desafio e ainda que cumprimentasse todas as pessoas que olhavam para ela com caras sérias e feias ou que aconchegasse a aba da camisa desabotoada nos dois botões do topo, tapando pudicamente o supra-plexo bronzeado e a curvatura dos seus generosos seios, perdia rapidamente a vontade de sorrir, a vontade de sorrir com que saía de casa ansiando que o dia lhe corresse bem. Nem tentando conseguia passar desapercebida às velhas que a olhavam com desdém das portadas das casas. Tudo é exagerado nas pequenas aldeias, principalmente o ódio. Aquela rapariga bonita lembrava-as de uma infância em que se pensavam bonitas, mas na qual nunca nenhum homem olhara para elas como olhavam para aquela, acompanhando as suas pernas nuas num silêncio ofegante, transbordando de desejo.
E ela, ao mesmo tempo envergonhada, enojada e triste, vivia em eterno sobressalto, angustiada entre a esperança de uma nova possibilidade que a contentava de felicidade com o confronto do seu insucesso. Um homem, um futuro cheio de alegria com todos os ingredientes possíveis… filhos, casa… Cada passo que dava terminava numa queda estrondosa. Um mundo cheio de ciclos viciosos que se repetiam para a esmagar.

Um dia, o dia que viria a escolher como o dia da sua morte, depois de sair da mercearia aonde tinha ido comprar uns collants negros para um encontro com um bancário, com quem iria terminar mais uma relação infrutífera, ao conversar com uma senhora que lhe falava do tempo, viu uma rapariga nova, a filha de alguém que tinha estado num sítio durante alguns meses e que agora regressava à aldeia para fazer algo na cidade ali perto, porque o pai sofria de alguma coisa grave e deu por si a lembrar-se de quando tinha a idade da rapariga, de como os homens olhavam para ela, ainda que talvez não daquela forma que olhavam agora a rapariga e nesse instante transformou-se numa velha. Ninguém reparou, aliás, nenhuma transformação visível podia ser observada no seu ainda magnífico corpo de estrela de cinema, mas num instante passou a ser um das velhas que a fulminavam sempre que passava. Começou a chorar descontroladamente. À volta, várias pessoas viram, mas poucas perceberam ou se importaram e apenas um rapaz, um rapaz honrado, honesto e de boas famílias, de quem sempre se dissera que viva apaixonado pela mulher que corria pela calçada, esboçou um gesto de preocupação, levantando-se dos degraus do pelourinho num salto em direcção à mulher, perguntando, sem resposta, se estava tudo bem. Respondeu-lhe um vulto silencioso embrulhado no aroma de um perfume fresco e doce que cheirava a avelãs.

Foi para casa, sem sequer pensar naquele acto de bondade do rapaz, juntou todos os seus pertences e dividiu-os em caixotes que fechou no quarto-de-banho, dentro da banheira. Os discos e os livros para o sobrinho, as roupas para a melhor amiga e o dinheiro numa carta remetida aos pais e irmão. De seguida ligou as bocas do fogão na sua potência máxima, libertando assim o gás venenoso que se ouvia calma mas assustadoramente a espalhar pela casa e esperou deitada. O último pensamento que lhe ocorreu foi o do sorriso daquele rapaz que há pouco lhe perguntara se estava tudo bem, pensando ela que afinal aquele rapaz, Rafael de seu nome, até tinha um sorriso bonito.

Lá fora, sentada num muro, uma rapariga desconhecida olhava com desejo o rapaz que estava nas escadas do pelourinho a olhar a casa da mulher.

Outro rapaz, alguém de quem nunca falam nas histórias de amor, ainda que não estivesse presente naquela altura exacta, imaginava com o mesmo desejo aquela rapariga sentada no muro.


Continua, aqui.

(João Freire)

13 comentários:

clara umbra disse...

Pois que parece que sim, que o amor é uma cena muito estranha, frequentemente mal direccionada, unívoca e por aí. Pessoalmente, eu nunca o percebi, mas é muito atraente, enquanto objecto estético, e toda a gente fala dele, incluindo eu. A questão é: vale a pena falar do que não se compreende?

johnny disse...

Enquanto não dá nada de jeito na televisão ou porque não aparece nada melhor para fazer...

E reconhecer a sua incompreensão também pode ser uma forma de compreensão - um pouco como a anti-matéria está para a matéria - o que nos habilita a todos a poder fazê-lo novamente, isto é, falar e escrever sobre ele, o fdp do amor.

Moyle disse...

o amor é fodido.

johnny disse...

Dizem que sim, que é

Em dois comentários, chamar Filho da p*t& (não ponho palavrões desde que dei conta que a minha mãe também vem ao blogue) e dizer que é F"d%do... coitado do amor, parece um árbitro...

por falar em árbitros, o Benfica ganhou 6-1.

Moyle disse...

mas olha que não se perde muito na comparação, porque ninguém parece ser capaz de passar sem nenhum dos dois.

(não volto a palavronar :))

a mim parece-me que o benfica não ganhou mas atropelou por 6-1

meldevespas disse...

Deixa lá o Benfica (blhergh) e o estatuto de "comido" do amor, pá!!!
Este conto...posso chamar-lhe conto? Posso. Está um mimo! Não é só o amor que é assim, passa ao lado, sem se saber o que é, é muitas vezes a vida que vai passando de mansinho. Umas vezes é a beleza extrema que nos ofusca, outras vezes é a falta dela, outras ainda será a falta de atenção...mas vai passando, desfilando, e nem é preciso o gás do fogão...
Adorei João Freire Johnny
Beijinho

johnny disse...

Ah! Alguém que centrou (pelo menos um bocadinho mais) a discussão na beleza. Está bem que era sobre o amor, mas a parte da beleza era a que eu queria aflorar. Era aí que eu queria chegar(será que queria chegar a algum lado?) Talvez escreva uma segunda parte mais focada nessa parte do dilema da rapariga, que é a beleza vs a falta dela ou o surgimento de concorrência ou a superficialidade ou não de quem dá importância à beleza em detrimento do lugar-comum do interior bonito que é mais importante.

Obrigado, querida meldevespas. Podes dizer tudo o que quiseres sempre que começares por descrever algo que eu faça como "um mimo". Estás à vontade!!!!

clara umbra disse...

Pfff... estes blogers que se vendem por um elogio...

johnny disse...

É a clássica falta de auto-estima assente numa auto-estima muito elevada (a auto-estima pode ser elevada?)que necessita de constante aprovação.

Gingerbread Girl disse...

A falta de auto-confiança origina sempre uma necessidade de aprovação... não acho nada de mal nisso... acho até um sinal de humildade e também uma demonstração clara de que se aceitam críticas (positivas).
A Mel já me tinha falado deste texto umas três vezes...mas só agora arranjei um tempinho.

Uma beleza assim pode ser uma maldição... uma deformidade... um isolamento.

Lindo conto. ;)

kiss*

johnny disse...

Obrigado

Brown Eyes disse...

Viver sob os "mirones" da inveja tira a vida a qualquer um (rsss). Há sempre alguém que nos preenche, que nos faz feliz normalmente, sem stress, é preciso é ter paciência e esperar esse alguém. Esse alguém deve preencher-nos não devemos nunca esperar, nem querer depender desse alguém. Assim sendo estaremos sempre prontos a recomeçar ou a viver sós.
Bonita esta história, apesar do fim trágico, de uma mulher linda.

johnny disse...

É o chamado "mal de inveja", algo em que eu, apesar de espiritualmente céptico, começo a acreditar... são as energias! Tá tudo ligado, como no tempo da PIDE.

Mas a beleza atormentava-a também dentro dela, sem ser só pela inveja dos outros, mas também pela inveja que ela descobria sentir, daí o seu fim (que não terá sido este) ainda mais trágico. A ver vamos.