12/12/2009

Velhos

Parece que alguém decidiu levar um grupo de idosos ao teatro. Parece que a reacção destes foi inesperada. Depois alguém fez um vídeo e, vai daí, o próprio vídeo torna-se numa sensação da internet e até numa forma original de publicitar a peça.
O vídeo é este que se segue.



Não gosto de muita coisa neste vídeo.
Não gosto, nem compreendo que haja alguém responsável pela decisão de levar um grupo de pessoas ao teatro e não tenha a capacidade de perceber ou de se informar com alguém do teatro se esse grupo vai gostar ou não da obra ou sequer se a vai compreender.
Depois, em segundo lugar, não gosto que alguém faça um plano de zoom aos dentes de um senhor como forma de menosprezar os argumentos desse mesmo senhor.
Por fim, não gosto que ainda se fale tanto do Salazar a propósito de tudo e não gosto que alguém justifique os caminhos da droga com uma peça de teatro.

Mas também há muita coisa que gosto.
Em primeiro lugar, gosto do vídeo em si porque me fez rir, mas também gosto do facto dos actores terem continuado a peça pelo meio dos apupos e vaias e – embora não aprecie que eles se riam depois da situação – compreendo que o façam.
Será que eles (os velhos) sabiam que podiam sair a meio da peça?
E, para finalizar, gosto da senhora que aparece no término do vídeo (fora do grupo - o que explica muito das reacções), que diz que gostou da peça, e gosto particularmente do senhor que a acompanha e que apenas diz boa-noite.

Eu quero ser aquele senhor. Eu quero chegar a velho e ter uma senhora que envelheça ao meu lado com uma dentição apresentável e que não me deixe ficar mal visto ao ser entrevistada pelos senhores da televisão.

(João Freire)
O vídeo foi visto aqui

20 comentários:

13 disse...

Mas afinal a peça de teatro é sobre o quê (para além dos cozinheiros) para gerar tais reacções?

pinguim disse...

Eu também publiquei uma entrada sobre este tema no meu blog e é óbvio que concordo em absoluto com o que aqui dizes.

Catsone disse...

Epá, gosto muito da malta da 3ª idade, até pq mais dia, menos dia, vou fazer parte da mesma, mas não entendo o que os inervou tanto? Será o facto de só terem sido convidados para a plateia e não terem comido nada?
Mas que classe do casal do fim do vídeo.

Dorothy disse...

prova claramente como a recepção da arte é determinados pelo tempo em que aquela é colocada, é o que alguns chamam de relativismo axiológico...
Para os "velhos" aquilo foi um logro: ver dois caramelos a preparar comida em palco ao mesmo tempo que debitavam alguns palavrões!! Pois é... este tipo de arte é só para espectadores "atentos" :)

Por entre o luar disse...

Gostei do térmito final e da Senhora =)
*

ipsis verbis disse...

Pois, deviam ter explicado aos velhotes o que se ia passar no palco. Se calhar estavam à espera de teatro de revista com cantigas pelo meio... afinal aparecem dois marmanjos a cozinhar (imaginem só! onde é que isto é teatro?! - pensaram eles)
No final, a culpa é sempre dos jovens e da falta de salazares. No final enfia-se tudo no mesmo saco e é tudo a mesma merda. No final é sempre por cause de qualquer coisa que não perceberam, mas que pertence a uma nova "cultura" que o pessoal se mete na droga... enfim!
Mas é este o nosso país. Nalgumas coisas demasiado sebastianista, demasiado quadrado (apesar de na verdade ser um rectângulo)e demasiado atrasado. E não me estou a referir só aos nossos velhos ( e agora também os meto no mesmo saco) que não sabem mais, estou também a referir-me a todos os papalvos (decerto muito mais novos e mais informados) que comentaram este vídeo no youtube de forma tão ou mais retrógrada e contraproducente que os primeiros.

ps: o velhote do final diz apenas "obrigado" e não "boa noite". mas vai dar ao mesmo.
Gostei do casal, é claro, pela capacidade da mulher se conseguir afastar da "voz" da maralha, fazendo e mantendo a sua própria opinião.

johnny disse...

13, eu, apesar de estar interessadíssimo, ainda não vi a peça, mas pelo que li, são dois cozinheiros que discutem comida. Será uma metáfora para a vida, enquanto um faz o elogio do processo de feitura dos pratos, o outro faz a apologia da prova e dos sabor. Nesse antagonismo, utilizarão piadas com muitas asneiras à mistura num ambiente humorístico de stand-up, ou seja, ingredientes reunidos para que tais espectadores não gostassem da obra final.

johnny disse...

Pinguim, por acaso não vi o teu na altura de escrever este, mas parece que sim, que concordamos em absoluto.

johnny disse...

Catsone, é natural que apreciemos os velhos por essa razão que mencionas e por outra: pela sua sabedoria. Mas o facto de possuirem essa sabedoria para certas coisas, não os separa de, eventualmente e em determinas situações, serem bestas como os outros... mais novos, com a excepção neste caso desse tal casal que, sim, tem muita classe.

johnny disse...

Sobre a arte em sim, dorothy, não posso falar, porque não vi a peça, mas como em toda a crítica de arte, ainda por cima à borla, quem não gosta, deve apenas e só sair. Se alguém perguntasse, no máximo, podiam dizer que não gostavam e argumentar, mas apupar durante a peça, insultar e argumentar da forma que se viu... está mal!

johnny disse...

Pois, Por entre o luar, eu também.

johnny disse...

Sim, Ipsis, é Obrigado, é... embora lá haja um murmúrio qualquer pelo meio.... poderá ser boa-noite, mas o raciocínio permanece válido.

Quanto às generalizações... só concordo quando envolvem mulheres e condução :)

Moyle disse...

detesto a gentinha que reduz tudo a generalizações. detesto mesmo. quanto ao vídeo, enfim, os velhos são todos a mesma coisa.

Gingerbread Girl disse...

Pois eu acho que quem lá levou os velhos, sabia muito bem o que tava a fazer. =D
Assim é que é! É que ser velho deve ser muito chato. Nada como um sentimento de vitimização e indignação para acordar aquele sangue adormecido nas veias. =D

johnny disse...

Moyle... enfim!

Ginger, poder-se-ia dizer que o sangue estava coalhado? Falas por experiência própria do "ser velho"? :p

Brown Eyes disse...

Envelhecer é complicado, além de se perderem capacidades ficamos vulneráveis e acabamos por ficar pendentes da vontade dos outros. Alguém se lembrou de levar os velhotes a passear mas não se preocupou em ler o interior deles e deu nisto. Se calhar eles até curtiam mais um joguito de cartas ou uma viagem a Fátima, não?

johnny disse...

Eu acho que o problema foi mesmo esse, Mary Brown: ler-lhes o interior (ainda que mal) e não lhes perguntar nada directamente. Foi, por assim dizer, uma falha de comunicação.

Gingerbread Girl disse...

Este puto anda a armar-se aos píncaros. -.-'

Pegadas disse...

Olá, boas. Parabéns pelo Blog antes de mais. Vim aqui parar porque ainda hoje escrevia nuns comments a um blog que falava sobre este tema: Velhice. Confesso que o tema anda-me na cabeça nos ultimos tempos. Vi há dias no "Bairro alto" na RTP2 uma entrevista ao poeta JOAN MARGARIT. Fenomenal!Quem tiver oportunidade reveja. Existem lá umas "delicias" sobre como "ser velho" e gostar de sê-lo.

johnny disse...

Pegadas, não sei se comentaste algum desses que lá participa, mas há um blogue, que é o Fábrica das Letras que é um blogue de participações literárias, que tem precisamente esse tema como o tema deste mês. Aliás, uma vez que aqui vieste ter, esse blogue até tem lá três participações minhas sobre a "Velhice", ou seja, esta, esta e esta.
obrigado pela visita.