25/04/2009

Curtas

Pepe
Esta semana, o Pepe... aquele segundo pontapé... Nem adianta!!!!

Loiras e Chuck
A Telma Monteiro aparece aqui, para além do facto de ser do Benfica e de ter conquistado a medalha de ouro no Campeonato da Europa na categoria de -57kg, por causa daquele rabo de cavalo que anda por todo o lado da sua cabeça. É muita pinta e eu acho-lhe piada por isso.


E esta senhora, que até se chama Yvonne, aparece por ser uma revelação para mim e de se ter tornado numa das personagens femininas que mais razões me deu para ver uma das séries que mais razões me dá para ligar a televisão ou o computador, basta ver a forma como se divertem nas gravações.
E depois, também, porque são as duas... sei lá, devem ser os olhos.


Nuno Álvares Pereira
Amanhã, no Vaticano, mais um Português a subir aos altares. Nuno Álvares Pereira foi uma das mentes por trás da Batalha de Aljubarrota (em português com link respectivo em português) ou Batalla de Aljubarrota, (em Castelhano, com link respectivo em castelhano) na qual enfrentou 30 mil espanhóis de Castela, franceses e italianos, com a companhia de 6 mil portugueses e arqueiros ingleses, numa diferença de cinco para um atenuada pela estratégia e inteligência dele e de outros.
Já a parte do milagre da oftalmologia... Sou espiritualmente desconfiado, com tendências para o agnosticismo e ateísmo, mas até posso conceder que quero acreditar em algo... mas porque é que os milagreiros não evitam simplesmente a tragédia? Será para testar a fé, mas não há melhores maneiras de testar a fé do que com azeite a ferver? E milagres com pessoas amputadas, porque é que não há registo deles? Serão os amputados filhos de um deus menor?

25 de Abril
E claro... hoje é 25 de Abril, dia de celebração de um acontecimento apesar de tudo bastante positivo. Para contrariar, porque gosto de ser do contra, escolho a primeira senha da revolução, a que deu o sinal de preparação a todos os intervenientes, uma canção de Paulo Carvalho emitida por volta das 23:00 de 24 de Abril de 1974 e que sempre ficou na sombra da Grândola Vila Morena, a segunda senha da revolução (aqui na versão da Amália, que, por sua vez, sempre foi considerada intíma do Regime - com o que quer que isso queira dizer)

Paulo de Carvalho - E depois do Adeus

8 comentários:

ipsis verbis disse...

A única coisa má na série Chuck? as patilhas do Chuck! enormes... pff. E o gajo até é jeitoso.

Treze disse...

Acho que não é dos olhos mas sim das sobrancelhas...

johnny disse...

Nunca reparei no Chuck!

As sobrancelhas também, treze... é o enquadramento todo daquela zona ocular.

cccp disse...

Quanto à Telma, ainda não digeri aquela dos jogos;o Pepe andou a ver filmes de terror violentos a mais (sem explicação); a Yvonne ganha à judoca com "ipon´s"; quanto a usar óculos, depende da visão do eleitorado papal; à personagem histórica o obrigado pela independência; a Amália conetada com o antigo regime, cada um terá que avaliar a situação passada e actual; Grândola Vila Morena, no papel vale, na realidade onde está?

johnny disse...

Tudo o que a canção representa, ainda que talvez mal-representado (não posso dizer ao certo), está no facto de não se sentir o que está e o que não está. isto está confuso, poder-se-á dizer que está um caos, mas é incomparável ao que estava.

Moyle disse...

- O Pepe enquadrou de forma impressionante o que é ser um futebolista português. É bem feito para os detractores das naturalizações na selecção. O jeito que ele teria dado no Euro2000 e no Mundial de 2002.

- Dando seguimento à orgânica deste post, novamente as vantagens de se ser bom a arrear nos outros. o pagamento é em ouro:)

- Na trilogia da batatada o prémio supremo. Santo por matar paellas. Não será isto uma mensagem vaticana a todos nós? Se cada um limpar 4 espanhóis temos aquilo só para nós. É muito país para darmos cabo :D

- Não vejo o Chuck, mas a Yvonne parece-me uma actriz extremamente... interessante. agora como integrar este último ponto na "lógica orgânica" do post, que consiste em pancada, já deixo ao critério de cada um e da própria.

johnny disse...

Não tinha reparado em tal orgânica, mas se vires o Chuck - o que vale a pena (mesmo que não pareça logo no início da descoberta da série) - descobres que essa orgânica se mantém com ela.

Mas a última parte, sobre o 25 de Abril, é o Anti-climax da luta!

Moyle disse...

bem, e esqueci-me de referir a parte do 25/4, porque teria sido impressionante a unicidade temática porque não acho que seja o anti-clímax [esta expressão arrepia-me um bocado porque ponho-me a imaginar como será e não deve ser nada agradável] mas sim o apogeu da luta :D