01/03/2009

O mundo das ideias

Aqueles gestos e trejeitos, acompanhados de sorrisos de gozo e superioridade, que Sócrates demonstra no XVI Congresso do PS denunciam-no. Como político que é, ele não pertence à realidade, nenhum político pertencerá. A política inscrever-se-á mais no reino de uma meta-realidade, ao jeito do mundo das ideias de Platão, do que na realidade. Nessa meta-realidade há uma ideia das coisas mundanas, uma ideia de um serviço nacional de saúde, uma ideia de Educação, Justiça e de Equidade Social, mas pouco dessa ideia é transportado para a nossa vida, para – continuando a referência a Platão – o mundo dos sentidos. Os políticos discutem de forma abstracta números, medidas, relatórios, sem se aperceberem muito dos efeitos práticos de tudo o que discutem. A consequência é a ineficácia e a subversão. Por isso riem, por isso corrompem e são corrompidos, por isso debatem vitórias e conquistas políticas entre si ao nível dessa realidade inatingível que é a política dos partidos, a política dos debates e discursos, dos sindicatos e grupos de pressão/interesses, uma política sem vítimas, tal é a distância que os separa destas. Em todo o processo político de emanação do poder, há uma descentralização burocrática, mas acima de tudo física, que desresponsabiliza cada um dos patamares, desde a pessoa que nos atende no balcão das finanças àquele que se deita em S. Bento e todos (naturalmente, os políticos ou funcionários públicos, os meios de comunicação e os cidadãos ou privados) participam nesse devir catastrófico.

(João freire)

7 comentários:

cccp disse...

Quando se é dono e senhor de um determinado partido, é natural, mas não deveria ser, que se torne num mini ditador, prepotente. Mais ainda se esse partido tiver a maioria na Assembleia e aí, mais uma vez não deveria ser, olhas para os outros da oposição com ar de superioridade. Acabo por aqui, senão nem Platão me aguentaria.

johny disse...

Acho que é um mal generalizado. A verdade é que, olhando para todo o espectro partidário, ninguém me convence.

Moyle disse...

o engraçado é que no Mosteiro dos Jerónimos, no Museu Nacional de Antropologia, estão os sarcófagos mas é em Belém que se deita a múmia :)

johny disse...

E em S, Bento? Que nome dás àquele que lá dorme?


(por acaso acho que nem dorme lá, mas pronto... é a residência oficial dele)

Moyle disse...

he who shall not be named :)

johny disse...

Tal como no filme, assustador... mas uma farsa.

Moyle disse...

:)